Por que praticar exercícios é bom para quem tem endometriose

capa---exercício

Muito já foi dito sobre os benefícios que a atividade física pode trazer para o corpo. Mas algumas mulheres com endometriose têm receio, por exemplo, de praticar ginástica ou musculação, por achar que possivelmente teriam uma piora no quadro.

Para quem tem esse medo, uma boa notícia: diversos especialistas da área da saúde indicam que correr ou mesmo fazer uma simples caminhada auxilia não só no combate aos incômodos causados pela endometriose, mas também na prevenção.

Estudo da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, envolvendo 4.062 mulheres, mostrou que aquelas que se exercitavam desde jovens tinham menos tendência para desenvolver a doença.

O ginecologista Marco Aurelio Pinho de Oliveira confirma:

“A atividade física ajuda tanto a prevenir como a minimizar os incômodos causados pela doença”.

Efeito analgésico

O exercício físico libera endorfina, substância vasodilatadora e analgésica, o que ajuda a aliviar as dores causadas pela endometriose. Além disso, manda para longe o estresse e equilibra os níveis de estrogênio (hormônio feminino que estimula o endométrio a se desenvolver).

Entretanto, é importante lembrar que somente o exercício não resolverá todos os problemas de quem já tem endometriose. Sempre será necessária a orientação de um médico.

Melhoria da imunidade

Pesquisas indicam que a prática regular de exercícios proporciona aumento da imunidade. Embora as atividades físicas não sejam vacina para nenhuma doença, certamente o fortalecimento do sistema imunológico vai proporcionar uma resposta mais rápida e eficaz contra qualquer quadro de infecção.

Por onde começar

O fisiologista Paulo Zogaib, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), sugere que a mulher procure uma modalidade que lhe ofereça prazer. Ele sugere um exercício aeróbico: caminhar, correr, nadar ou pedalar.

Mas as atividades devem ser feitas de forma moderada, com duração de 30 minutos a uma hora e frequência de quatro ou cinco vezes por semana, para terem efeito. Se sentir dor, não desista. “Tente um esporte na água, onde o impacto é menor”, recomenda o especialista.

Outras opções

A ginecologista Vivian do Amaral informa que Pilates e ioga melhoram a flexibilidade da pelve. “Há um maior aporte de sangue na região e, consequentemente, o alívio da dor”, explica.

Os benefícios não param por aí: “Ao aprender a controlar a respiração, você aniquila o estresse e ajuda a equilibrar os hormônios”, afirma a médica.

 


Fontes: Livro: Endometriose profunda – o que você precisa saber. Autor: Dr. Marco Aurelio Pinho de Oliveira. Editora: DiLivros, G1, Flickr, Cassilandia Notícias.